Publicidade

Economia

Economista orienta avaliação antes de fechar negócio

POSTADA EM: 31/12/1969  |  POR: (Da redação)

Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

 

A Caixa Econômica Federal (CEF), por falta de verba, havia decidido que só poderia ser financiado no máximo 50% do imóvel usado – dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) –, no primeiro semestre do ano passado. Com a volta de recursos para a habitação, a instituição aumentou para 70% aos trabalhadores do setor privado e para 80% aos do setor público.
Paralelamente a isso, a Caixa também anunciou o aumento dos juros do financiamento de imóveis novos e usados para quem não é cliente do banco. Aos imóveis de até R$ 750 mil, a taxa subiu de 9,9% para 11,22% ao ano. Em relação aos que custam acima desse valor, foi de 11,5% para 12,5% ao ano. O motivo apontado para essa medida é a quantidade de depósitos na poupança, que é a principal fonte de dinheiro do crédito imobiliário.
Para o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros, Reinaldo Domingos, a notícia deve ser bem analisada. “Ao mesmo tempo em que a porcentagem do financiamento foi esticada, os juros também subiram, o que significa uma dívida ainda maior. Portanto, antes de qualquer coisa, a pessoa que pensa em comprar sua casa própria precisa ter total ciência da sua vida financeira. É ótimo poder financiar a maior parte, mas é de extrema importância que não se deixe levar pela ansiedade e impulsividade. É preciso analisar minuciosamente as finanças, fazer simulações, etc.”, explica por meio de nota.
Muitos não têm o controle dos seus ganhos e gastos e não se programa para ver se realmente consegue honrar com um compromisso de alto valor e longo prazo como esse. Somente com esses números em mãos é que é possível avaliar se é ou não possível fazer a aquisição.

Instabilidade

Domingos ressalta que outro ponto que deve ser levado em consideração é a atual instabilidade política e econômica do País. “Estamos passando por um momento complicado; é preciso ter confiança extra nas finanças pessoais, estar bem estruturado, ter dinheiro poupado e segurança de que não perderá a renda – ou que, caso venha a perder, tenha reserva financeira para suportar esse contratempo e não comprometer seriamente o orçamento e os planos.”
Para quem já compreendeu essa situação e minimamente se programou para a realização desse sonho, pode ir mais a fundo no planejamento para adquirir um imóvel nesse momento. “A chave do negócio é ter cautela e buscar o máximo de informação possível, não apenas saber sobre a própria situação financeira – respeitando ao máximo o padrão de vida –, como também se atentar bem às taxas de juros praticadas no financiamento do SFH, por exemplo. Ter cautela e conhecimento geral é o que vai levar a tomar a melhor decisão”, explica o educador financeiro.

 

Atendimento em feirão em Brasília: parcelas de financiamento devem aumentar (foto)

Galeria

Publicidade

Pesquisa avançada

FINANCIAMENTO

SIMULAÇÃO CAIXA FEDERAL

MINHA CASA MINHA VIDA

OUTROS TIPOS DE FINANCIAMENTOS

CORRETORES CADASTRADOS

DICAS

CONTATO

COMERCIAL

REDAÇÃO