Publicidade

Economia

Mercado sente os efeitos da crise

Período turbulento atinge o País; Jaú não fica de fora e número de casas para aluguel é indicativo

POSTADA EM: 17/06/2015  |  POR: Redação

Inflação em alta, taxa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) insignificante e desempenho pífio das contas externas e das públicas. Não é segredo que há crise financeira instalada no País, atingindo todos os setores. Um dos segmentos que sentem esse reflexo é o mercado imobiliário, que acumula centenas de imóveis desocupados em Jaú.
Segundo a corretora Marina Paleologo, da Imobiliária Confiança, a procura por imóveis diminuiu indiscutivelmente nos últimos meses. A situação ocorre principalmente porque, em meio à atual crise global, as pessoas estão mais apreensivas quando o assunto é gastar dinheiro. Sem saber como será o futuro, os investidores aparecem menos impulsivos e mais cautelosos, desacelerando o mercado imobiliário.

“Se existem tantas casas desocupadas, algum problema ocorre ali. Quando uma casa fica desocupada por algum tempo, você começa a notar sinais de falta de manutenção. Essa situação acaba denegrindo a vizinhança e afetando a economia da cidade”, afirma o consultor financeiro especialista em investimentos do Banco Ourinvest Mauro Calil.

A crise do calçado na região de Jaú também se somou à situação, visto que muitos trabalhadores do setor perderam seus empregos nos últimos anos e foram obrigados a deixar suas casas e procurar um lugar mais em conta para viver. Muitos deles, inclusive, desistiram da moradia independente e voltaram para a casa dos familiares. “A cidade está parada”, avalia Marina.

Corretor de imóveis, que preferiu não se identificar, cobra da Prefeitura uma posição mais efetiva para trazer novos atrativos econômicos para a região. De acordo com o profissional, investimentos diversificados seriam responsáveis e imprescindíveis para atrair investidores e alavancar a economia do Município.

Tentativas

A Prefeitura nega estar parada diante dessa situação. A Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Agronegócios de Jaú anuncia investimentos e promete melhoria na economia regional. Em meio à crise, Jaú se candidata a receber novas empresas e se prepara para cumprir os requisitos necessários para essa instalação. Além disso, terá novo plano de desenvolvimento, que deverá ser enviado à Câmara em breve.

Em relação ao setor calçadista, que está em crise e demitiu 732 pessoas só em 2014, o secretário Jorge Luiz Alcalde explica que a administração municipal tem feito o possível para ajudar os empresários a se reerguer, mas que o problema não é local.

“Estamos tentando disponibilizar linhas de crédito junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas o que nós podemos fazer é muito pouco porque o problema é com o mercado em geral”, afirma.

Inadimplência

Além dos imóveis parados, o problema se estende aos que ainda estão locados, uma vez que o número de moradores inadimplentes subiu, causando aumento nas ações de cobrança por parte das imobiliárias de Jaú. O trabalho cauteloso feito com a documentação e a aprovação de fiadores, que visa a avalizar o cumprimento do contrato entre locador, locatário e imobiliária, não tem sido suficiente para garantir o recebimento de ambas as partes.

Por outro lado, este é um bom momento para quem pretende mudar de residência e ainda conseguir um bom negócio. A lei de oferta e procura é válida neste momento. Existem muitos imóveis à disposição e poucas pessoas interessadas em alugá-los ou comprá-los. O valor de comercialização não diminuiu, mas o cenário colabora com aqueles que pretendem investir e lucrar.

“Por causa do grande número de opções, os proprietários estão mais flexíveis para negociar valores. Vale mais a pena alugar por um valor mais baixo que o desejado do que manter o imóvel desocupado”, recomenda o proprietário da empresa Marcos Adriano Imóveis, Marcos Adriano Simon.

Publicidade

Pesquisa avançada

FINANCIAMENTO

SIMULAÇÃO CAIXA FEDERAL

MINHA CASA MINHA VIDA

OUTROS TIPOS DE FINANCIAMENTOS

CORRETORES CADASTRADOS

DICAS

CONTATO

COMERCIAL

REDAÇÃO